“Rasgai os vossos corações, e convertei-vos ao Senhor, vosso Deus; porque Ele é misericordioso e compassivo”

0
273

Nestes últimos domingos fomos guiados pelo capítulo 6 do Evangelho de São João. Hoje retomamos o Evangelho de São Marcos. A questão é a oposição entre os mandamentos de Deus e as tradições e costumes humanos. O comportamento dos discípulos suscita o questionamento dos fariseus (seguidores rígidos das tradições). Jesus não responde à pergunta, ele amplia a reflexão e desmascara a hipocrisia dos fariseus citando o profeta Isaías. É o conflito entre o essencial e o que não é; entre o que é a vontade de Deus e qual é a vontade dos homens em diferentes situações religiosas e sociais.

Jesus não quer abolir as normas e os costumes que sua religião foi estabelecendo ao longo dos anos. Sua intenção é chamar a atenção para que a religião não seja restrita ao cumprimento de normas, mas que ela converta os corações e seja instrumento de inclusão e fraternidade. Jesus traz uma novidade profunda para dar mais sentido as práticas religiosas do seu tempo. Jesus desloca todo o sentido da Lei do exterior para o interior, dos lábios para o coração, de “fora” do homem para “dentro” dele. “Porque é do interior do coração dos homens que procedem os maus pensamentos: devassidões, roubos, assassinatos, adultérios, cobiças, perversidades, fraudes, desonestidade, inveja, difamação, orgulho e insensatez. Todos estes vícios procedem de dentro e tornam impuro o homem (Mc 7,21-23). Na linguagem bíblica o coração é o lugar da decisão.

Diante das incertezas e inseguranças do mundo atual, muitos procuram se refugiar no passado e no cumprimento rígidos de normas, valorizando somente uma doutrina segura, um código de conduta bem definido, uma organização religiosa mais forte. O caminho mais seguro será buscar um equilíbrio justo entre o passado com suas tradições e costumes, e acolher o presente com seus desafios e valores. O critério sadio é a busca do evangelho e o seguimento de Jesus numa atitude constante de conversão ao reino de Deus.

Por isso o ouvido do discípulo deve estar atento à escuta da Palavra para conhecer a vontade de Deus. Como continuadores da missão de Jesus, que entregou a vida por amor, nossas práticas religiosas devem nos conduzir a Deus e aos irmãos. O verdadeiro discípulo missionário é atento aos ensinamentos de Deus e da Igreja e busca viver a vida como evangelizador estendendo a mão aos mais necessitados e frágeis.

Setembro é o mês da Bíblia. Durante estes 30 dias, nós católicos somos convidados a intensificarmos a nossa escuta, meditação e reflexão sobre a Palavra de Deus, a fim de torná-la mais viva e eficaz em nossas vidas. Pois, conforme nos ensina São Jerônimo, “desconhecer a Escritura é desconhecer a Cristo e se negar a anunciá-lo”.

Este ano o livro da Sabedoria é o escolhido para estudo e reflexão. O tema é “Para que n’Ele nossos povos tenham vida – Livro da Sabedoria” e o lema “A sabedoria é um espírito amigo do ser humano”. Vamos aprofundar o conhecimento do testamento que Deus nos deixou na sua Palavra. “Tua palavra é lâmpada para os meus passos, luz para o meu caminho (Sl 119).

Dom João Carlos Seneme, css
Bispo de Toledo

Comentários