Família autoriza doação de órgãos de Jovem que foi brutalmente agredido no Bela Vista

0
1023
Morre rapaz que foi espancado em Assis na quarta-feira LÉO SILVA / RADAR BO

Faleceu na manhã de sábado (07) Alison Antônio da Costa Benedito de 18 anos, que estava internado no Hospital Bom Jesus em Toledo, sendo que o mesmo foi localizado caído em via publica em uma Rua do Conjunto Bela Vista em Assis Chateaubriand por volta das 07 horas de quarta-feira (4).

O Jovem estava em estado gravíssimo, foi encaminhado até o hospital beneficente, mas por conta da gravidade e com risco de morte, foi transferido de helicóptero para o município de Toledo. Após a constatação do óbito, veio o nobre gesto da família, em autorizar a doação de órgãos de Alison.

Uma equipe médica de Curitiba se deslocaram até o município de Toledo, onde realizaram a captação e a transferência dos órgãos para transplante. O sepultamento está marcado para a manhã deste domingo (08), no cemitério municipal Jardim da Paz.

Com informações do Repórter Léo Silva.

Seja um doador de órgãos:

De acordo com a Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO), de cada oito potenciais doadores, apenas um é notificado. Enquanto em países como Espanha – referência mundial quando o assunto é transplante – são registrados perto de 40 por milhão, no Brasil essa taxa está próxima de 15.

NO BRASIL,
PARA SER DOADOR É PRECISO COMUNICAR À FAMÍLIA
pois somente os parentes podem autorizar a doação.

A doação de órgãos ou de tecidos é um ato pelo qual manifestamos a vontade de doar uma ou mais partes do nosso corpo para ajudar no tratamento de outras pessoas.
​A doação pode ser de órgãos (rim, fígado, coração, pâncreas e pulmão) ou de tecidos (córnea, pele, ossos, válvulas cardíacas, cartilagem, medula óssea e sangue de cordão umbilical). A doação de órgãos como o rim, parte do fígado e da medula óssea pode ser feita em vida.

Para a doação de órgãos de pessoas falecidas, somente após a confirmação do diagnóstico de morte encefálica. Tipicamente, são pessoas que sofreram um acidente que provocou traumatismo craniano (acidente com carro, moto, quedas etc.) ou sofreram acidente vascular cerebral (derrame) e evoluíram para morte encefálica.

UM DOADOR
após a constatação de morte encefálica
É CAPAZ DE SALVAR MAIS DE VINTE PESSOAS

Doação após a morte​
Se você quiser se tornar um doador, a atitude mais importante é informar esse desejo a seus familiares uma vez que, após sua morte, eles decidirão sobre a doação.

Como fazer a doação no momento da morte de um familiar
Um dos membros da família pode manifestar o desejo de doar os órgãos e tecidos ao médico que atendeu o paciente ou à comissão intra-hospitalar de doação de órgãos e tecidos do hospital.

Pode também entrar em contato com a Central de Transplantes, que tomará as providências necessárias.

 

Comentários